Notícia

DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TURISMO

Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo
Terça, 02 Junho 2020 12:12
ARTESANATO

Máscaras com bordados alagoanos são alternativa de renda para artesãos

Associação de Artesãos do Pontal da Barra e Fulô.A são alguns grupos que estão se reinventando durante a crise

As máscaras de tecido, necessárias para a proteção contra o novo coronavírus, ganharam um colorido típico e característico de Alagoas As máscaras de tecido, necessárias para a proteção contra o novo coronavírus, ganharam um colorido típico e característico de Alagoas Divulgação
Texto de Letícia Cardoso

As máscaras de tecido, necessárias para a proteção contra o novo coronavírus, ganharam um colorido típico e característico de Alagoas: o bordado. Entre o filé e o ponto livre, os artesãos encontraram um meio para inovar a produção e garantir sua renda durante o período que perdurarem as medidas adotadas para combater a COVID-19.

A Associação dos Artesãos do Pontal da Barra, que possui mais de 500 pessoas cadastradas, trabalha vendendo o bordado filé na região para os turistas que visitam Maceió. Com as atividades suspensas no setor, os profissionais precisaram inovar a produção.

“Como vivemos da atividade turística, acabamos ficando sem trabalho durante a pandemia. As máscaras são hoje a maior arma de combate ao vírus e encontramos este meio para garantir nossa renda e ainda divulgar o nosso trabalho com o filé”, explica Adriana Gomes, presidente da Associação dos Artesãos do Pontal da Barra.

O trabalho de divulgação está sendo realizado pela página do grupo no Instagram (@associacaodosartesaosdopb). Nesta vitrine virtual, é possível ver a variedade de cores disponíveis, desde o branco e o bege ao colorido que une azul, amarelo, rosa e vermelho, não só nas máscaras, mas também em jogos americanos, panos para mesas de jantar, de centro e outros móveis domésticos. 

Ana Cristina, da Fulô.A, trabalha com o bordado ponto livre há mais de 24 anos, dando uma nova vida a peças de roupa, colares, bolsas, no tule e objetos de decoração. A produção de máscaras personalizadas teve início a partir do pedido de clientes e, para a artesã, foi uma surpresa. 

“Começaram a pedir bordados mais exclusivos, com nomes, frases e desenhos autorais. A  demanda está me surpreendendo. Acho que também pelo fato de ser um produto essencial no momento e por ser uma peça que não deixa de ser um acessório. Com o bordado cada uma acaba tendo seu próprio estilo”, conta.

artesanato_máscaras_fulôa.jpeg

Por seu Instagram (@fulo.a), Ana atende pedidos em Maceió e de cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Recife, Minas Gerais, Brasília, Manaus, João Pessoa e Porto Alegre. 

A Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo (Sedetur) desenvolve ações para fomentar a produção e comercialização do artesanato local, colaborando para a divulgação dos produtos através do programa Alagoas Feita À Mão. As ações propiciam a participação em feiras, eventos e exposições que acontecem em todo o Brasil. “Estamos passando por um momento que precisamos nos adaptar e não poderíamos deixar de apoiar os artesãos em um momento difícil como o que estamos passando agora. O filé é uma das marcas de Alagoas e uma manifestação típica do povo que vive na região das lagoas Mundaú-Manguaba e esta é mais uma forma de fortalecer a nossa cultura”, expõe Daniela Vasconcelos, gerente de Design e Artesanato da Sedetur.