Notícia

DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TURISMO

Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo
Quinta, 29 Novembro 2018 20:06
GERAÇÃO DE RENDA

Mulheres da Grota do Bom Parto concluem curso de corte e costura ofertado pela Sedetur

Com duração de três meses, curso faz parte do projeto Vida Nova nas Grotas, desenvolvido pelo Governo do Estado

Certificados de conclusão de curso foram entregues nesta quinta-feira (29) a 25 mulheres da comunidade Certificados de conclusão de curso foram entregues nesta quinta-feira (29) a 25 mulheres da comunidade (Fotos: Ascom/Sedetur)
Texto de Soraya Leite

A Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo (Sedetur), por meio da Superintendência de Desenvolvimento Regional e Setorial (Suder), entregou, nesta quinta-feira (29), os certificados de conclusão de curso a 25 mulheres da Grota do Bom Parto, em Bebedouro, que participaram do Curso de Formação Inicial em Designer de Moda e Corte e Costura Artesanal, na modalidade presencial.

Com duração de três meses, o curso faz parte do projeto Vida Nova nas Grotas, desenvolvido pelo Governo do Estado com o objetivo de levar cidadania às comunidades da capital alagoana. O público-alvo são mulheres de 40 a 60 anos, atendidas pelo Centro de Atenção à Mulher e ao Idoso (Ceami) e que se encontram em situação de vulnerabilidade social.

(Fotos: Divulgação/Ascom Sedetur)

 

“É de fundamental importância que o Governo do Estado promova políticas públicas que venham atender essa população que se encontra fora do mercado de trabalho, ofertando-lhes um meio de garantir o próprio sustento”, disse o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Rafael Brito.

Segundo a gerente de Valorização de Pessoas da Suder, Francislay Farias, a iniciativa teve como objetivo promover a capacitação profissional dessas mulheres, garantindo-lhes uma oportunidade de geração de emprego e renda e, consequentemente, a melhoria da qualidade de vida e redução da exclusão social. “A meta é articular parcerias com a rede hoteleira para viabilizar a venda dos produtos a serem confeccionados pelas alunas. Essa é uma forma de dar-lhes cidadania e inseri-las no mercado”, disse Francislay Farias.